Nestes últimos dias a notícia mais propagada foi a do porte do XBMC para o Android. E muitos devem estar se perguntando que diabos é o XBMC.

O XBox Media Center é um projeto de código aberto que surgiu como alternativa ao media player do XBox, da Microsoft. Ele permite criar, gerenciar e tocar bibliotecas de músicas, filmes e fotos armazenados localmente ou remotamente (em serviços como Flickr, YouTube, Spotify, etc.).

Depois de um tempo o projeto ganhou versões para computadores: roda em Linux, Mac e Windows, mantendo todas as suas características. Eu por exemplo tenho um notebook mais antigo com uma versão mínima do Fedora instalada, com o XBMC rodando, ligado na minha televisão através da saída HDMI. Também mantenho um programa de torrents rodando, assim sempre que quero baixar algo basta cadastrar, e depois de baixado estará lá pronto para ser visto (aliás, isso é tema de um texto que está nos rascunhos ainda, já que uso meu Android para gerenciar os torrents e também para controlar o XBMC).

O que faz do XBMC uma excelente alternativa, além do custo zero, é sua versatilidade. Ele possui diversos plugins, instaláveis a partir do próprio programa (não é necessário ir a site algum para instalar nada nele….é tudo feito dentro dele mesmo). Por exemplo, para aqueles que gostam de seriados, há um plugin para utilizar o Legendas.TV como fonte das legendas.

Explicado o que é o XBMC, a primeira coisa que me vêem à mente é: por que eu o instalaria num Android? A única funcionalidade que eu acharia útil seria se ele se conectasse ao XBMC do meu computador e fizessem streaming automático do conteúdo que tenho lá. Só que até onde me consta o programa não faz isso! Para ver fotos? Ouvir as músicas que tenho no aparelho? Oras, para isso já tenho os programas nativos que fazem a coisa muito bem, obrigado. Ver filmes baixados? Convenhamos….espaço não é algo que sobre num celular a ponto de permitir baixar vários filmes e seriados. Além do que, assistir numa telinha de 4 polegadas também não é algo que atraia muito.

Talvez ele seja útil se alguém criar um media center barato, utilizando um aparelho não muito potente, rodando Android, e acessando os dados de um disco externo (fora a parte do barato, alguém lembrou do Nexus Q?). Mas por enquanto, além da prova de conceito e da parte interessante da coisa, não vejo lá muito propósito.