AndroidsQue o Android é a plataforma mais afetada por malwares não é preciso nem citar. Que parte da culpa é a facilidade de colocar aplicativos na Google Play também é fato. E que outra parte da culpa é da Google por não ter um controle mínimo sobre os aplicativos que lá estão, também não dá pra negar.

Só que o usuário também pode fazer sua parte e perder alguns segundos lendo a descrição do aplicativo e pensando um pouco a respeito das permissões que ele pede. Esse é um ponto no qual eu sempre insisto: por que um papel de parede animado precisa ter acesso aos seus contatos ou ao GPS?

Uma coisa relativamente corriqueira, infelizmente, é um bandido (não há outra palavra para designar alguém que faz isso) pegar um aplicativo legítimo, reempacotá-lo, e enviá-lo à loja numa versão gratuita e raras vezes funcional, apenas para infectar o aparelho da pessoa. Isso está acontecendo neste momento com o jogo Temple Run: Oz (este é o original).

Um bandido espertinho criou um app (este é o fajuto) bem simples, com quase o mesmo nome, gratuito e colocou na Play. Ao rodar o programa tudo que acontece é o usuário ser direcionado para a versão completa (e paga) do jogo. Só que neste caso não são apenas as permissões que ele solicita que são absurdas (acesso ao GPS, acessar os favoritos do navegador e também o histórico de navegação, acesso total e irrestrito à internet, e o pior de todos: rodar na inicialização do aparelho), mas também a própria descrição dele que aparentemente nenhuma das mais de 100.000 pessoas que o instalaram leu: que ele não é o jogo real, mas apenas um link:

temple_run_fake

Outra coisa que pouquíssimos verificam é o site do desenvolvedor. Acredito que perder uns 10 segundos indo até o site para ver se ele é pelo menos real poderia evitar alguns problemas. Nesse caso específico, isto é apresentado:

temple_run_fake_site

Bem suspeito, não?

Outro ponto interessante (se não fosse triste), é que normalmente quem faz isso se aproveita de títulos famosos, mas pagos ou com propaganda. Lançam a “cópia” como se fosse gratuito ou sem a propaganda, para tentar se aproveitar daqueles que pagam algumas centenas de dinheiros pelo aparelho, mas se recusam a pagar alguns poucos trocados pelo programa original.

fonte: Droid Gamers